Notícias

Cinema nas Férias



 

Férias! É hora de passear, jogar bola, reunir-se com familiares e amigos, ler bons livros, ir ao cinema ou assistir bons filmes em casa, entre outras possibilidades.

Pensando nisso, ou seja, nesta diversão sadia que diverte e, de quebra, ainda mexe com a cabeça dos participantes, trazemos algumas dicas de filmes em cartaz no cinema ou em streaming para os alunos e professores em seu período de recesso. Confiram abaixo nossas dicas, elaboradas pelo professor João Luís de Almeida Machado, que também é Coordenador Pedagógico em Tecnologia Educacional do Sistema Poliedro.

 

Os Incríveis 2

Passados 14 anos do lançamento do filme original da Pixar, a família Pera está de volta e, desta vez, além das aventuras destes super-heróis há, também, alguns temas nas entrelinhas que fazem a produção valer ainda mais a ida às salas de cinema. Os heróis, para quem assistiu a primeira animação com estes personagens, foram banidos, ou seja, considerados perigosos pela sociedade por conta dos efeitos colaterais de suas ações, situações em que, para prender um vilão, acabavam destruindo prédios e outras construções e bens existentes nas cidades… O problema é que um novo criminoso genial está agindo e é preciso buscar, ainda que por debaixo dos panos, sem que as autoridades percebam, o apoio de pelo menos um super-herói para resgatar a credibilidade da classe… Ou melhor, para esta missão se escolhe uma super-heroína, a Mulher Elástico e não o Senhor Incrível, como a princípio se poderia esperar… Isso gera algumas situações para lá de hilárias e, ao mesmo tempo, questionadoras do mundo em que os homens imperam como senhores e não as mulheres, ou seja, abre-se espaço para discutir os papéis de ambos na sociedade, com o Senhor Incrível passando a cuidar dos filhos em casa… Melhor que o primeiro, que já foi um sucesso estrondoso! Imperdível, divertido e inteligente!

 

 O livro de Henry

Henry é um menino para lá de especial. Inteligentíssimo. QI superior que o faz apto a frequentar escolas para gênios. Apesar disso, ele prefere continuar próximo ao irmão e a mãe e estudar na escola do bairro em que vive. É Henry que, aos 12 anos, cuida das finanças da família e que, por conta de ser um prodígio, investe os recursos ganhos pela mãe na bolsa de valores, poupa dinheiro e multiplica no banco o que a mãe conquista a duras penas trabalhando como garçonete. Tudo vai muito bem até que Henry descobre que sua vizinha, colega de escola e paixão secreta, sofre abusos do padrasto, com quem mora sozinha depois da morte de sua mãe. Para piorar a situação, o padrasto da menina é chefe de polícia e Henry fica sem saber o que fazer e a quem recorrer. Para superar esta situação dramática, Henry cria um plano praticamente perfeito e o descreve, por escrito e com imagens, em um caderno, chamado por sua mãe e por seu irmão caçula de “o livro de Henry”. Emocionante, inteligente, trabalhando com assuntos pouco abordados pelo cinema como abusos de crianças (sem fazer com que isso seja ofensivo, de forma branda), morte e os superdotados, este é um filme que certamente irá conquistar muitos fãs.

 

O Rei do Show

Muito antes do Cirque du Soleil reinventar o conceito de espetáculo circense, o inglês P. T. Bailey já havia realizado ação importante para revitalizar o Circo juntamente ao público. Na segunda metade do século XIX, num contexto de grande agitação, com o surgimento de novos inventos e formas de entreter o público, numa época de crescimento das cidades e também de excesso de mão de obra que levou muitos a viver na penúria por conta do desemprego, Phineas Bailey (Hugh Jackman) era apenas mais um homem em busca de trabalho que tinha uma família para sustentar. Ele, no entanto, percebeu que havia espaço para espetáculos que atrairiam o grande público ao trazer a luz dos picadeiros homens e mulheres especiais, únicos, diferenciados e talentosos. Pensou também que seria preciso muito mais que estes artistas de talento para vender seus ingressos e trabalhou arduamente na promoção de seus espetáculos. Tudo isso movido pelo amor por sua família e confiança no show espetacular que estava a conceber. A história de um grande empreendedor do ramo de entretenimento, contada numa versão romanceada, num musical de primeira, de grande impacto e repercussão, com músicas e coreografias espetaculares, atuação destacada de Jackman, Zac Efron e Michelle Williams. Um filme sobre tolerância, empreendedorismo, iniciativa, inteligência, talento, família… belíssimo! Cinema de Primeira!

 

O Círculo

Tom Hanks e Emma Watson (a Hermione, da série Harry Potter) são as estrelas deste thriller com foco no mundo das redes sociais e empresas de tecnologia de ponta. O Círculo é uma grande empresa, como o Google ou o Facebook, que atua globalmente e a cada dia passa a fazer parte maior na vida das pessoas. Mae Holland (Emma Watson) é uma jovem inteligente que, por conta da necessidade e das dificuldades do mercado de trabalho, atua num call center. Seu pai, doente, carece de cuidados e ela procura auxiliar financeiramente a mãe, por isso não pode deixar de trabalhar, ainda que não goste do que está fazendo. Uma amiga, no entanto, conseguiu um ótimo emprego no Círculo e indicou Mae para o atendimento de clientes naquela gigante do ramo de redes sociais. Ela faz os testes e é admitida. O ambiente de trabalho é moderno, jovem, cativante, com muitos benefícios e intensa vida social. Entrar numa empresa como esta é o sonho de muitos jovens e também de Mae. Os criadores do Círculo, entre os quais o emblemático e carismático Eamon Bailey (Tom Hanks), têm planos de fazer com que o Círculo passe a estar na vida de todo o mundo o tempo todo, com iniciativas de inclusão de pequenas câmeras distribuídas pelos 4 cantos do planeta e também a serem utilizadas pelas pessoas diariamente e Mae é escolhida para mostrar ao mundo como funciona esta tecnologia. O filme, baseado em livro de sucesso, coloca em foco importantes questões, como a privacidade, o limite quanto ao uso das tecnologias, a necessidade de interação humana e o modelo de trabalho adotado por estas novas empresas high tech. Intrigante, o suspense desperta o interesse e nos motiva a boas reflexões ao mesmo tempo em que diverte os espectadores.