Notícias

Suporte que faz a diferença



Entenda como a Orientação Educacional pode ajudar pais e alunos a conquistarem seus objetivos

Orientar alunos em diversas situações, mediar conflitos e ser um canal de comunicação dentro da comunidade escolar: eis algumas das funções do orientador educacional, profissional que atua diretamente no desenvolvimento de cada estudante. Para tanto, esse profissional precisa apoiar-se em três pilares fundamentais: ética, empatia e equilíbrio emocional.

“Ao se colocar no lugar do outro, seja aluno ou familiar, o orientador deve evitar o pré-julgamento e favorecer o vínculo”, afirma Beatriz Marcon Nogueira da Silva, orientadora educacional do Ensino Médio no Colégio Poliedro de São José dos Campos.

“Orientação Educacional é acolher, é abraçar. Estamos aqui para receber bem o aluno e ajudá-lo em todos os sentidos”, explica Maria Pereira dos Santos, coordenadora da equipe de Orientação Educacional do Colégio Poliedro de São Paulo.

“Nós entendemos que questões biológicas, sociais, emocionais e pedagógicas influenciam o desenvolvimento escolar do aluno. Nesse sentido, buscamos atuar em parceria com  professores e famílias”, destaca Thaís Arantes Ribeiro, coordenadora da equipe de Orientação Educacional do Colégio Poliedro de Campinas.

O equilíbrio emocional e o trabalho integrado da equipe são necessários para a condução dos conflitos que ocorrem no ambiente escolar. O orientador precisa saber escutar e ser ponderado para que os conflitos se diluam e não se inflamem.

 

Equipe de Orientação Educacional do Ensino Médio do Colégio Poliedro São José dos Campos

 

Equipe de Orientação Educacional do Ensino Médio do Colégio Poliedro Campinas

 

A orientação no Colégio Poliedro

No Colégio Poliedro, o trabalho da Orientação Educacional é peça-chave para o bom desempenho e a formação integral dos estudantes, visto que um dos objetivos da escola é formar bons cidadãos.  O atendimento com qualidade é um importante diferencial da equipe de Orientação da escola, pois, além dos alunos, os pais e responsáveis também têm total liberdade para conversar com os orientadores. O trabalho realizado pela equipe ocorre durante todo o ano letivo e atende às demandas emocionais e de aprendizagem dos estudantes.

“Um dos objetivos é acolher a necessidade específica de cada faixa etária dentro do ambiente escolar”, destaca a orientadora Beatriz. Esse trabalho de acolhimento, que acontece tanto no Ensino Médio quanto no Ensino Fundamental II, exige muita atenção quanto aos aspectos pedagógicos e psicossociais.

“No Ensino Fundamental II, atendemos alunos que estão na fase de transição da infância para a adolescência. É um período complexo na vida escolar do aluno; por isso, precisamos ouvir com muita atenção para, junto dos pais e dos professores, dar o melhor suporte para que dificuldades sejam identificadas e superadas”, comenta Flavio Jose dos Santos Lima, orientador do 8º ano do Ensino Fundamental II no Colégio Poliedro de São José dos Campos.

Outro grande diferencial da orientação educacional do Colégio Poliedro é o suporte para ajudar o aluno a administrar o recurso mais valioso que existe: o tempo. Aprender a se organizar e a planejar a rotina será importante não apenas na escola, mas ao longo de toda a vida.

É nesse momento que entra uma ferramenta essencial oferecida aos alunos do Colégio Poliedro: o plano de estudos personalizado.

Maria Pereira, coordenadora da equipe de Orientação Educacional do Colégio Poliedro São Paulo

 

Plano de estudos personalizado

O plano de estudos é uma ferramenta de administração do tempo que pode ser usada por qualquer aluno. A ideia é fazer com que o estudante aproveite melhor seu tempo de modo a encontrar o equilíbrio ideal entre a rotina escolar e a vida pessoal.

Todo o plano é feito em conjunto com o orientador, que vai pontuando e sugerindo ações de acordo com o perfil de cada aluno, já que não há um único método ou uma receita pronta que possa ser utilizada com todos os estudantes.

“Para que a proposta funcione, é necessário respeitar a individualidade e a maturidade de cada um, pois o objetivo é fazer com que o adolescente descubra qual é o melhor método de estudo para ele”, explica a orientadora Beatriz.

“É preciso respeitar o perfil de cada um, e, por isso, todo o planejamento deve ser individualizado”, afirma a coordenadora e orientadora Maria Pereira.

Por meio desse acompanhamento, é possível ajudar cada aluno a enfrentar suas dificuldades no dia a dia, a fim de torná-lo mais preparado para os desafios futuros.

Ao seguir o plano corretamente, o aluno começa a perceber o ritmo ideal de estudos e consegue criar o hábito de estudar um pouco todos os dias para não deixar tudo para a última hora, ao mesmo tempo que consegue fazer diversas atividades fora do período de aulas, como momentos de lazer com a família e os amigos, atividades físicas, cursos de idiomas e programas culturais, entre outros.

O estudante pode fazer do plano um guia detalhado para o seu dia a dia, colocando nele até mesmo pequenas ações ou detalhes que julgue relevantes. O importante é que ele perceba o que está impactando a sua rotina e quais as reais dificuldades que o impedem de aproveitar melhor seus momentos.

O Ensino Fundamental II também conta com essa ferramenta, além de um módulo de organização e método de estudos realizado com todos os novos alunos no início das aulas para auxiliar na adaptação à rotina escolar.

“O simples fato de organizar seu horário semanal, levando também em consideração o descanso e o lazer, faz com que o aluno incorpore o hábito diário de estudo em sua rotina de forma natural e gradativa”, explica Luciana Lorenzi Corato, orientadora do Ensino Fundamental II no Colégio Poliedro de São José dos Campos.

 

Equipe de Orientação Educacional do Ensino Fundamental II do Colégio Poliedro de São José dos Campos

 

Orientação profissional

A decisão em relação a qual profissão seguir geralmente começa no Ensino Médio, com a proximidade dos vestibulares. Por conta das inúmeras possibilidades e anseios, a escolha se torna difícil. Por isso, outra função importante da Orientação Educacional é dar apoio ao aluno durante o processo decisório, principalmente para que ele se conheça melhor, o que é essencial nesse momento.

O apoio da família e da escola é fundamental para que o adolescente consiga definir os traços da sua personalidade, aptidões, habilidades e gostos pessoais. Para ajudar ainda mais, o Colégio Poliedro oferece aos alunos o Módulo de Orientação Profissional, que conta com dinâmicas e encontros coordenados por uma psicóloga e visitas programadas às universidades.

“Trazemos aos alunos atividades que promovem o autoconhecimento, o conhecimento sobre as realidades profissionais e o aprender a fazer escolhas. Ao final desse processo, o aluno está mais preparado para assumir uma escolha autêntica”, comenta a orientadora e coordenadora Thais Ribeiro.

Mais ferramentas, mais suporte

Além de uma orientação educacional e uma coordenação pedagógica atuantes, o Colégio Poliedro proporciona outras formas de suporte ao aluno com o intuito de garantir a melhor preparação. Dentre elas, destacam-se o apoio pedagógico no Ensino Fundamental, cujo objetivo é ensinar o aluno a estudar e a desenvolver técnicas e ferramentas de análise, interpretação e raciocínio nas diversas áreas do conhecimento; as aulas de reforço para a 1ª e a 2ª série do Ensino Médio; o plantão de dúvidas; o atendimento de Redação, importantíssimo para quem está se preparando para vestibulares muito concorridos; e também todo o conteúdo disponibilizado por meio do aplicativo P+, que inclui resoluções de exercícios e videoaulas.